Amor, próprio amor

Home / Meu Cerebro Na Rede / Amor, próprio amor
Certos conceitos tão incutidos na cabeça estão, que – se alguém ousa discordar – a casa cai! Pois me peguei a debater com duas amigas a respeito de algumas linhas de meu penúltimo texto. (Talvez aqui caiba uma releitura do mesmo. Bom, eu precisei!) Discordaram da minha “negação do amor-próprio”. Com pingados escritos, não pretendo convencer ninguém acerca de nada. Diferentes opiniões – muitas, aliás, brilhantemente argumentadas nos comentários – são sempre muito bem-vindas. Muitos comentários valem mais a pena que os textos propulsores, diga-se de passagem. Mudar o ponto de vista não me constrange. No entanto, prezo pela clareza. Não defendo a auto-anulação, a vida em função do outro, a rispidez consigo mesmo. Não prego nenhuma revolucionária filosofia libertadora, nada! Eu, Lia Lira Olivier Sanders, por considerá-lo utópico e desnecessário, resolvi sublimar o amor-próprio. Pessoas são amor, não o possuem! Como propriamente são também ira, inteligência, burrice, candura, agressividade… Ocupar-se em manter uma “boa relação consigo mesmo” implica em não tê-la. Agarrar-se ao amor-próprio aponta evidentes problemas de “auto-estima”. Há quem considere essa questão importante, tudo bem! Eu é que não tolero esses “ter que”, essas características e sentimentos obrigatórios. Voltando ao texto da discórdia, a indagação “Mereço ou não mereço meu próprio amor?” não cabe. Afinal, somos fonte e canal de um amor que não se vale de critérios ou julgamentos. Aproveito o ensejo para reformular uma idéia: somos sim lindos e maravilhosos… E pequenos e vis e muitas coisitas mais. A conversa encerrou com o argumento de não compreendermos do mesmo modo o amor. Caímos no complexo e incompleto jogo das denominações! O que diabos é o amor? Ainda não arrisco uma definição. Amor próprio ou próprio amor? Importa? Sem domínio dos conceitos, nem decisão quanto à ordem da seqüência, amamos. Então por que mesmo essa falação toda? Também não sei!
Related Posts
Showing 5 comments
  • Anônimo

    “Agarrar-se ao amor-próprio aponta evidentes problemas de auto-estima”
    ei prima.. você sempre ganha com esses argumentos. eu concordo, vc sempre consegue DIZER TUDO.

  • keo.

    ass: Kekeoo. ^^

  • Cele

    Lia,
    Já tava arrancando os cabelos sem suas atualizações! Que viagem foi essa??? Que discussão mais inócua!!! Beijos! Carnaval bombou, foi não???

  • Manuzinha

    Um mês inteirinho sem atualizar, Lia sandra?? Sacanagem…
    Eu não sou de ficar lendo blogs, mas tô viciada no teu, já te disse isso!! Então, vê se atualiza com maior frequência, viu??
    E eu discordo de vc!! Eu me amo e pronto!! 😛 Se isso for Amor-próprio, eu tenho demais!! O resto é balela!! 😉
    Bjin da Manuzinha ;*

  • Fábia Castro Alves

    Melhor nao se apegar às palavras, libertar-se delas. Elas existem, mas no caso da palavra “Amor”, lançada ai, não vem junto com uma escala de medidas de sentimentos universal. Então, vamos engavetar essa questao e sentir apenas.

    Bju grande, amiga.

    Fábia

Leave a Comment